Dor ciática. O que é, sintomas, diagnóstico e tratamento

dor ciática

Dor ciática. O que é, sintomas, diagnóstico e tratamento

O que é a dor ciática: Sintomas, Diagnóstico e Tratamento

Dor Ciática – o que é, sintomas, diagnóstico e tratamento para essa dor muito comum, também conhecida como ciatalgia, dor no nervo ciático, dor radicular, radiculopatia, etc.

O termo dor ciática geralmente é usado para descrever a dor que irradia ao longo do nervo ciático (ou isquiático). Desce a partir da região lombar por uma perna (mais comum) ou ambas.

A dor ciática é um sintoma vindo de uma compressão em qualquer extensão do nervo, não é uma doença propriamente dita, mas sim um sintoma.

O nervo ciático é formado pela união das últimas raízes dos nervos lombares (vértebras L4, L5) com as primeiras raízes sacrais (vértebras S1, S2, S3). Passa através de uma abertura no osso da bacia (forame ciático), logo abaixo da região profunda do glúteo (músculo piriforme) e desce por trás da coxa, joelho, perna e pé (região posterior do membro inferior).

Por ser o maior nervo do corpo humano, responde por uma grande área sensitiva e motora dos membros inferiores.

Quais as causas da dor ciática?

A dor ciática pode ser causada principalmente pela irritação ou inflamação de uma ou várias raízes nervosas oriundas da medula espinhal e que formam o nervo ciático. Geralmente a compressão é causada por uma hérnia de disco ou um osteófito (bico de papagaio) na coluna.

Pode ocorrer também por um trauma direto (acidente) ou vícios posturais (má-postura). Porém, as lesões degenerativas da coluna são as principais causas da dor ciática.

Outras causas possíveis:

Qual o sintoma da dor ciática?

dor ciática A dor ciática ocorre no trajeto do nervo ciático, desde a região lombar (lombociatalgia) até os pés, sendo mais comum em um lado das pernas. Apresentam um ou mais sintomas, não necessariamente ao mesmo tempo, de intensidade variável – desde leve, com um incômodo simples, até uma dor incapacitante que impede de se manter em pé.

Pode se iniciar com leves choques, começando com dor na coluna lombar, no glúteo, depois irradiando para a coxa, perna e pé.

Com a evolução do quadro pode haver dor irradiada mais intensa com perda de sensibilidade, alterações associadas (queimação, amortecimento, dormência, formigamento, etc) ou diminuição dos reflexos na área afetada. O local mais comum de dor é na região do glúteo e posterior da coxa, podendo ou não chegar ao pé.

Alguns movimentos como sentar, levantar, tossir e espirrar podem piorar o quadro doloroso.

Nos casos mais acentuados ou crônicos, pode haver diminuição de força muscular no membro inferior, câimbras, “perna pesada” e travamentos.

Se você vem sentindo algum desses sintomas, é importante passar por avaliação médica com o especialista da coluna.

Qual exame para detectar a dor ciática?

Como dito anteriormente, a dor ciática é mais um sintoma do que a doença propriamente dita. Os exames são voltados para descobrir a origem da dor.

O diagnóstico da dor ciática é feito pelo médico especialista com base nos sintomas apresentados e avaliação do histórico do paciente.

A análise clínica com exame físico dá os indicativos das raízes nervosas comprometidas e exames de imagem como raio X, tomografia computadorizada e ressonância magnética, complementam o diagnóstico para o tratamento adequado para a causa da dor ciática. Desses exames, o mais sensível para avaliação das raízes nervosas e possíveis locais de compressão é a ressonância magnética da coluna.

Como aliviar a dor ciática e qual o tratamento?

O tratamento mais indicado é a partir da identificação da origem da dor ciática.

Quanto aos sintomas, por se manifestarem de diferentes formas, cada caso é tratado particularmente, conforme avaliação médica.

É comum que a dor ciática se resolva naturalmente, devendo-se poupar esforço físico para não a agravar. Os sintomas podem durar desde algumas horas, até semanas e meses.

Para aliviar a dor ciática é recomendado repouso relativo, uso de bolsas térmicas, massagens leves para relaxar a musculatura e diminuir a compressão do nervo etc.

Na fase aguda, normalmente é prescrito alguma medição como analgésico e/ ou anti-inflamatório para aliviar a dor.

Para alguns casos, podem ser utilizadas infiltrações, que é um procedimento simples e preciso para alcançar a área afetada com a injeção de medicações anti-inflamatórias e anestésicas.

Fisioterapia é um tratamento muito indicado para atuar no controle e aliviar a dor ciática.

Medidas preventivas devem ser adotadas na rotina diária e são importantes para afastar novas crises, como:

  • atividade física leve ou moderada, conforme o limite de cada um (pilates, yoga, caminhadas)
  • reeducação postural (RPG, fisioterapia)
  • fortalecimento muscular
  • perda de peso
  • evitar ficar muito tempo parado na mesma posição
  • alongamento, relaxamento, etc

A maioria dos pacientes com dor ciática responde bem aos tratamentos convencionais, de modo que a cirurgia da coluna raramente é necessária.

A dor ciática atinge mais que público?

A dor ciática acomete homens e mulheres igualmente e é mais frequente conforme o envelhecimento, pelo fato da coluna e outras estruturas sofrerem maior desgaste ao longo do tempo, ficando mais sujeitos a lesões decorrentes de vários fatores como má postura, sedentarismo, sobrepeso, etc.

Apesar de estatisticamente acometer indivíduos acima de 40 anos, os mais jovens também podem sentir a dor ciática, principalmente nas pessoas que ficam muitas horas na posição sentada.

Esportistas e frequentadores de academia com atividades físicas extenuantes ou exageradas podem inflamar o nervo ciático e sofrerem com as dores.

Praticantes de corrida ou musculação com intenso trabalho da região glútea são mais prováveis de desenvolver a síndrome do músculo piriforme, pois aumentam o músculo desta área, comprimindo o nervo. Geralmente, atingem mais as mulheres, por habitualmente trabalharem mais esta região.

A gravidez também pode trazer maior probabilidade de compressão do nervo, pelo aumento de peso, maior retenção de líquidos e alterações de postura pelo crescimento da barriga, afetando a coluna.

Trabalhadores com funções de posturas não-ergonômicas ou que exigem longos períodos em uma posição, podem ter mais riscos para a dor ciática.

Quais problemas podem ser confundidos com dor ciática?

Nem todos os casos de dor que irradia para os glúteos e a perna são problemas de dor ciática, ou seja, decorrentes do nervo ciático.

Por exemplo, a articulação sacro-ilíaca (ossos da bacia – entre a pelve e o sacro) pode causar dor no glúteo e muitas vezes irradiar para a coxa.

Às vezes, uma pequena ruptura do disco pode originar a dor no membro inferior (fissura do ânulo fibroso).

Ou mesmo alguns movimentos ou atividades que resultam em dores musculares ou nos ligamentos, podem ser confundidas com dor ciática.

Outras causas frequentes são problemas vasculares, reumatológicos, neuropatias periféricas e distensões/ espasmos musculares.

O importante é consultar o médico especialista para que seja feito o diagnóstico e tratamento adequado.

Para dúvidas e mais esclarecimentos sobre dor ciática, agende uma consulta.

Nenhum comentário

Comentar