Síndrome da Cauda Equina – Um Caso de Emergência

síndrome da cauda equinaum caso de emergência

Síndrome da Cauda Equina – Um Caso de Emergência

Síndrome da Cauda Equina – Um Caso de Emergência

A síndrome da cauda equina é uma doença grave que requer atendimento imediato ao se apresentarem os sintomas.

Consiste na compressão e inflamação do feixe de nervos na parte inferior do canal vertebral, que tem aspecto semelhante a uma cauda de cavalo (razão do nome atribuído).

A cauda equina é responsável pela inervação das estruturas da pelve e membros inferiores. A região onde está localizada (lombar, sacro, cóccix) pode sofrer dor, incômodo além da perda de sensibilidade e movimento, ao se apresentarem os sintomas da síndrome da cauda equina.

Ela é considerada como caso de emergência, o atendimento médico deve ser imediato.

Síndrome da cauda equina

Síndrome da cauda equina

O que causa a síndrome da cauda equina?

A síndrome da cauda equina ocorre pela compressão do canal lombar, lesionando as raízes nervosas abaixo da medula espinhal, local onde há a divisão da medula em um feixe de nervos individuais em direção aos membros inferiores.

A medula espinhal é uma porção de tecido nervoso localizada dentro do canal vertebral e tem como função principal a transmissão dos sinais entre o cérebro e o sistema nervoso periférico. Percorre desde a base do cérebro até a junção entre a primeira e segunda vértebra lombar.

Esse feixe de nervos é responsável por transmitir sinais de movimentos, sensações e controle dos músculos do intestino, bexiga e das pernas.

A compressão do canal vertebral pode ter várias causas, como:

  • Hérnia de disco mais volumosa (causa mais comum);
  • Tumores;
  • Lesão decorrente de uma má manipulação do local, como uma complicação cirúrgica;
  • Eventos traumáticos (acidentes) e deslocamento de vértebras;
  • Infecção no canal da medula;
  • Problemas congênitos;
  • Estenose do canal vertebral (estreitamento do canal);
  • Doenças inflamatórias como a espondilite anquilosante (doença inflamatória crônica autoimune);
  • Ou qualquer outro fator que promova uma diminuição do diâmetro do canal vertebral que vá exercer pressão sobre os nervos.

Quais os sintomas da síndrome da cauda equina?

Assim que se notem os sintomas da síndrome da cauda equina, procure o médico especialista em coluna o mais rápido possível. A intervenção cirúrgica imediata é necessária para que não ocorra um maior comprometimento das funções. É urgente e caso de emergência.

Devido à compressão ou lesão dos nervos em direção aos membros inferiores, esta é a região onde a síndrome da cauda equina apresenta seus principais sintomas, comprometendo a capacidade motora e sensorial:

  • Dor lombar intensa;
  • Complicações na bexiga e no reto, com possível retenção ou incontinência urinária e fecal;
  • Sensação anestesiada na região genital e nádegas, a área que toca ao sentar em uma sela, denominado de “anestesia em sela”;
  • Fraqueza, reflexos diminuídos ou perda de sensibilidade dos membros inferiores em geral, incluindo os órgãos sexuais;
  • Disfunção sexual;
  • Dor, dormência e dificuldade de movimento nas pernas;
  • Dor ciática.

Alguns sintomas se confundem com outros problemas que acometem a coluna vertebral e que são tratadas sem a gravidade que se apresenta nesta condição, por isso, é importante o acompanhamento do médico especialista em coluna . Se não tratada, a síndrome da cauda equina pode causar a paralisia total dos membros inferiores.

Como diagnosticar a síndrome?

A síndrome da cauda equina é diagnosticada pela análise clínica do médico com auxílio de exames específicos de imagem como a ressonância magnética e a tomografia computadorizada, fundamentais para constatar a complicação na região.

Um diagnóstico precoce pode evitar o agravamento da síndrome da cauda equina e comprometimento neurológico das funções. Ao se apresentarem sinais de problemas na coluna vertebral, é importante que o paciente procure o médico para que toda a avaliação possível seja feita.

síndrome da cauda equina: imagem de ressonância magnética (perfil)

Síndrome da cauda equina: imagem de ressonância magnética (perfil)

 

imagem de ressonância magnética vista de cima

imagem de ressonância magnética vista de cima

Como tratar a doença?

O tratamento para a síndrome da cauda equina tem como indicação a cirurgia para realizar a descompressão do canal vertebral, aliviando a pressão sobre os nervos através da remoção das estruturas que diminuem o espaço no canal da medula espinhal, conforme a causa que motivou a compressão.

Esse é o tratamento imediato para aliviar a complicação, que pode ser por exemplo, uma cirurgia de hérnia de disco que atualmente conta com técnicas modernas, conhecidas como cirurgia minimamente invasiva da coluna, que oferecem menor agressão ao corpo e consequentemente, menos risco para o paciente.

Contudo, a origem do problema, deverá ser tratada também. O médico especialista em coluna também irá investigar as causas que levaram à compressão numa medida de conter os fatores que a propiciam.

A constatação de ocorrências como a fissura do ânulo fibroso (ruptura da “capa” que protege o disco, podendo se tornar uma hérnia) ou edema dos ligamentos interespinhosos (inflamação nos processos espinhosos da coluna), entre inúmeras possibilidades de complicações, podem ser tratadas de maneira preventiva, evitando-se a evolução para o quadro mais grave.

Desta forma, o tratamento para a síndrome da cauda equina inclui tratar a causa do estreitamento do canal, que podem ter origens variadas e tratamentos próprios para cada um, como por exemplo as infecções, que serão tratadas com antibióticos; a hérnia de disco, que será retirada com uma cirurgia, etc.

Outros medicamentos também podem ser receitados pelo médico para aliviar os sintomas da dor. O paciente não deve se automedicar, é importante o acompanhamento do profissional capacitado para avaliação do quadro.

A síndrome da cauda equina tem cura?

A síndrome da cauda equina tem sua resolução diretamente relacionada com a rapidez com que for tratada. Quanto mais rápida a identificação e o tratamento, maiores são as chances de ter seus sintomas diminuídos ou resolvidos.

A fisioterapia é importante para a reabilitação de quem se submeter a uma cirurgia, podendo iniciar-se já no hospital, enquanto se aguarda o momento adequado para a alta hospitalar.

A síndrome da cauda equina é uma doença grave, de intensidade variada e que se desenvolve gradativamente, a menos que haja uma lesão direta que interfira na região abruptamente. Apesar de rara, o acompanhamento com o médico especialista em coluna é importante para avaliar a evolução de qualquer quadro doloroso.

Para dúvidas e mais esclarecimentos, agende uma consulta.

 

Publicações científicas:

Sociedade Brasileira de Coluna – https://www.coluna.com.br/
AO SPINE – https://aospine.aofoundation.org/
Sociedade norte americana de cirurgia de coluna – https://www.spine.org/

Veja também:

Cirurgia de hérnia de disco: saiba o que é e quando fazer

Nenhum comentário

Comentar