Espondilolistese

O que é Espondilolistese?

A Espondilolistese ocorre quando uma vértebra escorrega para a frente sobre a vértebra abaixo dela. O termo espondilolistese é derivado da língua grega: “espondilo” significa vértebra e “listese” significa escorregar.

Este escorregamento entre as vértebras gera dores constantes na região das costas predispõe o paciente a desenvolver desvios posturais, além de sensações como formigamento, dores na perna e pequenos espasmos na região da coluna lombar, região comumente acometida pela espondilolistese.

espondilolisteseExistem vários tipos ou causas:

Esses são os principais:

  1. Espondilolistese congênita: significa que o transtorno está presente no nascimento;
  2. Espondilolistese ístmica: a mais comum, ocorre quando um defeito (fratura óssea) ocorre em uma estrutura de suporte vertebral na parte de trás da vértebra (pars). Pode ser aguda ou crônica;
  3. Espondilolistese degenerativa: a mais comum com o envelhecimento e é freqüentemente associada com doença degenerativa do disco, em que os discos perdem hidratação e os ligamentos da coluna desgastam;
  4. Espondilolistese traumática: após algum traumatismo agudo;
  5. Espondilolistese patológica: quando outra doença está causando o escorregamento;
  6. Espondilolistese iatrogênica: causada após alguma cirurgia.

Como a espondilolistese se desenvolve?

Geralmente se desenvolve na região lombar da coluna vertebral. A coluna lombar é exposta a pressões direcionais em flexão/torção enquanto estamos andando ou em atividade. Em outras palavras, enquanto sua coluna lombar está em movimento e carregando o peso corporal, ela também se move em direções diferentes (por exemplo, girar, dobrar para a frente). Por vezes, essa combinação faz com que a tensão excessiva da vértebra e / ou as suas estruturas de suporte levem uma vértebra a deslizar para a frente sobre a vértebra abaixo.

Quem pode estar em risco?

Se um membro da família (por exemplo, mãe, pai) tem espondilolistese, o risco de desenvolver a doença pode ser maior. Algumas atividades são consideradas fatores de risco. Ginastas e levantadores de peso tendem a colocar pressão e peso significativos na região lombar. Os ginastas também fazer muitos movimentos de torção rápida no ar ao pular. Esses movimentos aumentam a pressão substancialmente sobre a coluna vertebral, e a doença pode se desenvolver.

Como a espondilolistese aparece nos exames de imagem?

espondilolisteseCom um simples raio-x já é possível observar o escorregamento de uma vértebra sobre a outra. Observe no raio-x abaixo:

Como a espondilolistese é graduada?

A graduação ou classificação mais utilizada na literatura médica é em relação à porcentagem de escorregamento da vértebra sobre a vértebra abaixo.

  • Grau I: Menos de 25% de escorregamento
  • Grau II: 25% à 49% de escorregamento.
  • Grau III: 50% à 74% de escorregamento.
  • Grau IV: 75% à 99% de escorregamento.
  • Grau V: A vértebra caiu para frente da vértebra abaixo dela. Este é o tipo mais grave de espondilolistese e é denominado espondiloptose.

Quais são os sintomas da espondilolistese?

Dores na região lombar são os sintomas mais comuns. Porém, muitos pacientes não apresentam sintoma algum e sem querer descobrem que apresentam a doença ao fazer um raio-x.

Nos pacientes com sintomas, esses são os mais comuns:

  • Dor lombar e sensação peso;
  • Dor na região glútea;
  • Dor na coxa/perna e/ou fraqueza (“ciática“);
  • Dificuldade em controlar as funções do intestino e da bexiga;
  • Músculos encurtados na região posterior da coxa;
  • Rigidez na região lombar;
  • Sensação de algo solto entre a coluna lombar e bacia.

Como é feito o diagnóstico da espondilolistese?

O diagnóstico para espondilolistese pode ser feito por meio de testes clínicos e uma conversa do ortopedista especialista em coluna, a fim de entender o grau e a origem da condição.

Exames de imagem são solicitados para sustentar o diagnóstico e fazer com que o especialista em coluna determine o tratamento correto para que o paciente retome suas atividades normais, sem incômodos.

Quais exames são necessários para diagnosticar uma espondilolistese?

O ideal é passar em avaliação médica com ortopedista de coluna para o melhor diagnóstico e tratamento da sua condição. Em geral, radiografias simples já mostram o problema. Muitas vezes incidências oblíquas são necessárias para verificar fraturas e falhas ósseas na região da pars interarticular (espondilolistese ístmica). Se você tiver outros sintomas associados, provavelmente seu médico irá complementar com exames mais detalhados além das radiografias (tomografia, ressonância).

Qual o tratamento para a espondilolistese?

Tudo dependerá dos sintomas apresentados pelos pacientes. Muitos pacientes não apresentam sintomas e, portanto, apenas o fortalecimento muscular da região, a prática de atividades físicas e a boa postura são suficientes.

Nos pacientes com dor lombar ou eventualmente dor irradiada para os membros, um tratamento de reabilitação mais intensivo será necessário. A cirurgia para o tratamento da espondilolistese está reservada para uma minoria dos casos, onde há déficit neurológico associado e sem melhora com o tratamento conservador.

Como funciona cirurgia da espondilolistese?

A cirurgia da espondilolistese é feita por meio de técnicas como artrodese ou através da fusão vertebral. Estes procedimentos têm por objetivo restaurar as funções da coluna e dar uma maior estabilidade à estrutura.

Ademais, existem outros procedimentos minimamente invasivos que auxiliam em uma melhor recuperação. No entanto, cabe a avaliação e orientação de um ortopedista especialista em coluna para o direcionamento correto do procedimento adequado.

A infiltração na coluna pode auxiliar no tratamento?

As técnicas de tratamento para a espondilolistese irão depender do diagnóstico do ortopedista especialista em coluna. Contudo, caso exista a compressão neural e dor aguda na região, podem extrair efeitos positivos deste tipo de abordagem.

A fisioterapia no tratamento da espondilolistese

Em grande parte dos casos, a espondilolistese pode ser tratada com terapias que auxiliam no fortalecimento dos músculos que compõem a coluna. A fisioterapia auxilia neste tipo de necessidade, eliminando as dores do paciente e corrigindo posturas que podem desencadear outros quadros incômodos para o estilo de vida do indivíduo.

Procure sempre passar em avaliação médica com um Especialista em Coluna para fazer um diagnóstico e tratamento correto do seu caso.

Leia Também

cifose

Cifose

A cifose é uma curvatura normal da coluna torácica, no entanto, quando há a presença da hipercifose, nota-se uma curva acentuada nessa região, podendo ser flexível ou rígida.

bico de papagaio

Bico de Papagaio ou Osteófito

Presente em muitas pessoas, os tradicionais bicos de papagaio ou osteófitos são uma condição natural do envelhecimento da coluna. A presença destes ‘novos ossos’ causa dor e fraqueza muscular.

artrose na coluna

Artrose na Coluna

Condição bastante comum, a artrose na coluna é caracterizada pelo desgaste da estrutura, fator que resulta em quadros dolorosos e na limitação de movimentos.