Loading color scheme

Protrusão e abaulamento discal

Protrusão/Abaulamento Discal

A protrusão discal e abaulamento discal são termos médicos muito freqüentes quando falamos de problemas da coluna vertebral.

Muitas pessoas se assustam com diagnósticos e laudos de exames referindo “desidratação discal”, “protrusão do disco”, “protrusão discal”, “abaulamento discal”, "degeneração discal", "abaulamento discal difuso", "degeneração do disco", "protusão discal", "hérnia de disco".

Esses termos e diagnósticos nem sempre devem levar à preocupação, pois a maioria dos indivíduos apresenta algum grau de degeneração do disco intervertebral (desidratação do disco) ao longo da vida sem apresentar sintomas correspondentes.

O que é a Doença Degenerativa do Disco?

A Doença degenerativa do disco está tipicamente associada com o envelhecimento, isto é, irá ocorrer em todas as pessoas.

Com o avançar da idade, seus discos, assim como outras articulações do corpo, degeneram (desgastam). Isso é uma alteração natural do envelhecimento e é como seu corpo lida com anos de esforço, uso excessivo, e talvez até mesmo o uso indevido. No entanto, alguns pacientes muito jovens e até mesmo adolescentes já podem ter degenerações acentuadas. Alguns casos podem ter relação com a hereditariedade (histórico familiar) e outros podem estar relacionados a sobrecargas excessivas ao disco intervertebral.

Os discos intervertebrais são estruturas que funcionam como “amortecedores” entre os ossos da coluna (vértebras). Normalmente eles apresentam um conteúdo líquido e protéico em seu interior (núcleo pulposo) e são envoltos por uma cápsula fibrosa (ânulo fibroso). Além de amortecerem os impactos, permitem uma mobilidade fisiológica e normal entre as vértebras.

A doença degenerativa do disco inicia com a perda da flexibilidade e elasticidade do disco. Nessa fase inicial ocorre desidratação do interior do disco e sinais inflamatórios ao seu redor. A medida que ocorre a progressiva desidratação do disco, ele torna-se mais rígido e perde sua altura normal. A rigidez do disco pode limitar seu movimento e eventualmente causar dor local pelo processo inflamatório associado. Os sintomas mais comuns, quando presentes, são de dor na coluna cervical e/ou dor na coluna lombar.

Qual a diferença desses termos (desidratação discal, protrusão discal, abaulamento discal e hérnia discal)?

Todos esses termos são nomenclaturas comumente usadas na prática médica para caracterizar que existe doença degenerativa do disco na coluna vertebral.

Protrusão/Abaulamento Discal

A desidratação discal é a primeira fase de desgaste do disco. Nessa fase o disco está no seu lugar habitual (entre as vértebras), porém tem uma alteração de sinal na ressonância magnética pela perda de água. Pode ou não haver achatamento do disco nesse estágio.

A protrusão discal e abaulamento discal são termos sinônimos que indicam uma segunda fase de desgaste do disco. Nessa fase está presente algum deslocamento do disco da sua posição habitual. Esse deslocamento geralmente é para a região do canal vertebral onde está a medula espinhal e raízes nervosas. Nesse estágio a cápsula fibrosa do disco (ânulo fibroso) está íntegra. Portanto, não há extravasamento do conteúdo interno do disco (núcleo pulposo).

É muito importante correlacionar as imagens do paciente com a história clínica e exame físico, pois a maioria das protrusões/abaulamentos não causam sintomas. Nem sempre precisam ser tratadas. Por isso a importância de sempre passar em avaliação médica.

A hérnia discal é a fase subsequente de deslocamento do disco. Nessa fase geralmente ocorre ruptura da cápsula fibrosa do disco (fissura do ânulo fibroso). Com isso, a chance de compressão neurológica e sintomas é maior.

Protrusão/Abaulamento Discal

Entretanto, também é possível o achado de hérnia de disco no exame de imagem e o paciente não apresentar qualquer sintoma. Tudo dependerá do tempo de evolução e se há ou não compressão de estruturas neurológicas. A maioria dos casos são passíveis de tratamento conservador. A cirurgia da coluna está indicada em uma minoria dos pacientes.

Sempre faça uma avaliação médica para determinar o correto diagnóstico e tratamento. A simples informação técnica dos laudos dos exames não é suficiente para diagnóstico e tratamento. É fundamental o exame clínico de cada paciente e a análise das imagens por um Especialista em Coluna.